MISSÃO DE RUA — IR AO ENCONTRO DE CRISTO NO IRMÃO

Talvez muitos de nós da paróquia Nossa Senhora de Lourdes de Alphaville, não conheça este “braço” da Pastoral da Caridade, que para a Pastoral é um dos Grupos de Trabalho existente e que tem a missão de “levar o alimento” aos irmãos moradores de rua. Coloquei entre aspas o “levar o alimento” porque o alimento apenas é uma forma de podermos nos aproximar do irmão na rua e com o alimento termos a oportunidade de conversar com o irmão, orar com ele e muitas vezes encontrar o próprio Cristo que nos recebe. “SE DER DE COMER A UM DESTES PEQUENOS É A MIM MESMO QUE DESTES DE COMER” diz o Senhor!

Há muito tempo, com a graça de Deus tive a oportunidade de pertencer a grupos que fazem esta missão de levar o alimento aos irmãos necessitados na rua. Participei de um grupo que é denominado PCLA, que na verdade são as iniciais das quatro famílias que iniciaram este projeto em São Paulo. Penha, Cunha, Leitão e Amaral. Mas a sigla, parecia mais como a de um partido político do que de uma missão de rua. Porém, a coordenadora ao escrever a Sigla no Computador para traçar os objetivos do projeto e sua história, veio fortemente na tela a seguinte frase “Por Cristo Levamos Amor”. É o que levamos ao irmão de rua: Amor. O amor de Deus, para o próprio Deus. Este grupo permanece atuante até hoje e já são mais de 15 anos de existência e todo ano lotamos 1 ou 2 ônibus para ir para a casa da Mãe Aparecida agradecer toda a sua intercessão neste trabalho. E tem sido uma benção.

Existem muitos outros grupos, com a graça de Deus, fazendo este trabalho. Na região de Osasco, um grupo coordenado pelo “Tio Ivo” há muitos anos também faz esta doação. Muitos paroquianos da Nossa Senhora de Lourdes já fizeram parte desta equipe. Tive a oportunidade de ir algumas vezes. São muitos os testemunhos do verdadeiro encontro com Cristo no irmão de rua. Irmãos que estão há dias sem comer. Ao receber o alimento, porém, antes de comê-lo fazem agradecimento a Deus e querem junto conosco fazer uma oração. Muitas vezes, saímos do roteiro pré-determinado porque o Senhor quer nos levar ao encontro daqueles mais necessitados. Lembro claramente num destes desvios de rota do Senhor, que nos levou a uma avenida em SP, onde encolhidos e quase escondidos aos nossos olhos e não aos de Deus, havia uma família, pai, mãe e 2 filhos que há 2 dias não se alimentavam. Choraram muito e agradeciam a Deus por nossa presença. Em um outro dia, havia chovido bastante e fazendo todo o roteiro, não encontrávamos nenhum morador nos pontos que ficavam, porque com certeza, se abrigavam em algum lugar para proteção contra a chuva. Em oração o coordenador do grupo que estava dirigindo o veículo e que estava com bastante alimento, pedia ao Senhor para que encontrasse os moradores para poder distribuir todo o alimento. Do nada apareceu um morador de rua, chegou, pegou o alimento e proferiu as seguintes palavras. Tive forme e me destes de comer. Tive sede e me destes de beber………….. Saiu dalí e enquanto chorávamos sumiu e não o vimos mais. Quem será que veio ao nosso encontro naquela noite.

Finalizando os testemunhos para entrar no trabalho que a Pastoral da Caridade faz aqui através do Grupo de Trabalho Missão de Rua, meu sobrinho conheceu este missão e também conheceu a Toca de Assis, que fazia mais naquela época o trabalho de acolhimento de moradores de rua. Morava em Ribeirão Preto e iniciou o trabalho de doação de alimento aos moradores de rua com os amigos de faculdade. Ao invés de ir na balada, juntavam o dinheiro, compravam marmitex e uma vez por semana iam ao encontro dos moradores de rua levar o alimento. Num dos locais, virão um irmão se aproximando, porém, ao longe era muito sensível o mau cheiro exalado do irmão. Muitos sequer quiseram se aproximar. Meu sobrinho, porém, foi ao seu encontro e deu-lhe um grande abraço e entregou o alimento. Ao voltar, os amigos nem queriam se aproximar dele, imaginando que ele traria consigo o mau cheiro do irmão. Durante 3 dias porém, suas roupas exalavam o perfume de rosas. Esta experiência marcou profundamente cada jovem naquele dia.

Voltando a nossa missão de rua da paróquia a mesma já existe há quase 4 anos e tem a nobre missão de levar o alimento ao morador de rua também. Este trabalho aqui tem um fator que eu acho fundamental que é a oportunidade que temos de poder acolher e retirar da rua para um tratamento aqueles usuários de drogas ou álcool e que desejam um tratamento e querem de verdade deixar a vida na rua. Como a Pastoral da Caridade ajuda muitas entidades, pelo menos 3 delas, como a Missão Belém, Alar e o Neftai tem espaço para o acolhimento e o tratamento. Muitos já foram tirados da rua e levados à estas instituições e tem sido uma benção. O Grupo de Trabalho da nossa paróquia recebeu o nome de Filhos de Misericórdia em honra a Nossa Senhora da Misericórdia que com certeza intercede e muito por cada um de nós. A cor alaranjada predominante da imagem de Nossa Senhora, foi a cor inspirada a todos nós para ser a cor do avental de serviço da Pastoral da Caridade. A misericórdia deve primeiro nascer em cada um de nós, para poder chegar ao irmão na rua.

A missão de rua de nossa paróquia ocorre toda terça feira à noite ( a partir das 19 horas) e todo sábado pela manhã (a partir das 8 horas). Há, porém, dentro deste grupo de trabalho, os que vão às ruas para fazer a doação, os que doam os alimentos e os que preparam o alimento. Às terças feiras é preparado um sopão (muito delicioso por sinal) e aos sábados é preparado um lanche. O cardápio é acompanhado por uma Nutricionista Nathalia Correia, que faz parte da Pastoral da Caridade e esta foi uma das condições que o nosso pároco Padre Ubirajara Vieira de Melo (que inclusive já participou da entrega na rua com a Pastoral) exigiu para a missão de rua. Queremos alimentar, porém, com todo o cuidado necessário no preparo e com ingredientes que tragam benefícios aos moradores de rua e sejam acompanhados profissionalmente por quem entende do assunto. O ingrediente maior dos alimentos, porém, é o AMOR com que é preparado. Inclui-se nestes ingredientes a Oração, o Carinho, a Alegria, o Prazer entre outros. Toda terça e sexta à tarde esta equipe de preparação se reúne para sua missão.

Atualmente são 150 “marmitex” de sopa, que na verdade é um pote de isopor para manter a temperatura durante todo o trajeto e aproximadamente 140 lanches que são providenciados. O que sobra na panela, e sempre sobra, Deus age sempre, são entregues no final do roteiro para a instituição ARESANA da Paróquia Nossa Senhora Aparecida em Jandira. Toda entrega é precedida de oração (muito necessária para o fortalecimento da equipe de doação) e depois seguem para dois roteiros. Uma equipe segue para a Roteiro de Itapevi e outra equipe segue para o Roteiro de Carapicuiba. Existem pontos fixos de parada. Alguns deles em locais que só Deus para guiar e levar porque são locais escondidos, debaixo de pontes e viadutos, porque infelizmente o morador de rua é visto por muitos como um “ET” e são desprezados e não podem desfrutar de um lugar à vista de todos. São muitas vezes expulsos de locais públicos e são obrigados a viverem escondidos e vivendo nas piores condições.

Todos nós podemos fazer este trabalho de doação, mas nem todos, são capazes de realizá-lo como deve ser feito. Há muita necessidade de voluntários para esta doação de rua e estamos precisando muito da ajuda dos nossos paroquianos. Temos por vezes recebido o pedido de alguns grupos, como círculos do ECC, que querem fazer uma ação voluntária num determinado dia. Isto é bom, mas precisamos de pessoas com compromisso de pelo menos 1 ou 2 vezes ao mês se disponham a servir ao irmão num compromisso de escala de revezamento. Outro cuidado que sempre tomamos com estas visitas é que não se transforme em visitação onde passem aos moradores a impressão que estão sendo observados e “admirados”, como sendo “animais sendo visitados no zoológico por exemplo”. Tem que ter muito amor no coração e muito desejo de ver no irmão de rua a própria presença de Cristo. Não devemos ter dó dos irmãos. Devemos ter compaixão e solidariedade. Como temos esta possibilidade de ajudá-los, levando-os para recuperação, quanta felicidade existe em cada um de nós, quando um irmão aceita o tratamento e entra no nosso carro e o levamos para a entidade. É uma alegria tão grande que não dá para ser explicada num texto. Só vivendo este momento.

O objetivo acima de tudo é termos mais pessoas nos ajudando. Sentiu-se com o desejo de nos ajudar? Procure a Pastoral da Caridade e venha fazer parte desta nobre missão de ENCONTRAR CRISTO a cada missão. Há muito ainda o que se fazer. Estamos participando recentemente de algumas reuniões com a Vice-Prefeita de Carapicuiba que está reunindo diversos grupos e instituições que fazem este trabalho para entender o que mais é necessário, pois pretende fazer mais do que uma casa de acolhimento. Um local onde possa ser preparado pós tratamento para reintegração na sociedade com um trabalho por exemplo.

Que Deus conduza este trabalho e dê frutos!


Compartilhe: