Santa Bernardete Soubirous

Marie Bernard Soubirous ou Maria Bernarda Sobeirons (em occitano) nasceu em 07 de janeiro de 1844 em Lourdes e faleceu em 16 de abril de 1879 aos 35 anos em Nevers. Foi beatificada em 12 de junho de 1925 e canonizada em 08 de dezembro de 1933 (tanto a beatificação, quanto a canonização foram realizadas em Roma, pelo Papa Pio XI). É considerada a padroeira das pessoas doentes e pastores.

Filha de um pobre moleiro chamado Francisco Soubirous e de Luísa Castèrot, a francesa Bernadete foi a primeira de nove filhos. Na infância, ela trabalhou como pastora e doméstica. O pai esteve preso sob a acusação de furto de farinha, contudo foi absolvido.

Durante os dez primeiros anos, a menina morou no moinho de Boly (onde nasceu). Passando por graves dificuldades financeiras, a família mudou-se depois para Lourdes, onde vivia em condições de miséria, morando no prédio da antiga cadeia municipal que fora abandonado pouco antes. Apesar de parecer insalubre, todos viviam no andar superior do edifício, ocupado pelo primo de Francisco Soubirous, pai de Bernadete. Era um buraco infecto, sombrio, e a divisão inabitável da antiga prisão abandonada por causa da insalubridade.

Desde pequena, Bernadete teve a saúde debilitada devido à extrema pobreza de sua habitação. Nos primeiros anos de vida foi acometida pela cólera, o que a deixou extremamente enfraquecida. E, por causa também do clima frio no inverno, adquiriu asma, aos 10 anos.

Tinha dificuldades de aprendizagem formal e na catequese, o que fez com que a sua primeira comunhão fosse atrasada. Não pôde frequentar a escola, mantendo-se analfabeta até os 14 anos.

No dia 11 de fevereiro de 1858, em Lourdes – cidade com cerca de quatro mil habitantes -, Bernadete disse ter visto a aparição de uma “senhora” envolta em luz na gruta denominada massabielle (“pedra velha” ou “rocha velha”), junto à margem do rio Gave. Outras aparições sucederam até que Bernadete perguntou à “senhora” quem ela era. Segundo seu relato ao pároco local, Pe. Dominique, a resposta foi: “Eu sou a Imaculada Conceição, o que causou espanto e comoção ao padre, que sabia que a moça não estava inventando: ela não tinha nenhum conhecimento do significado de suas palavras, muito menos conhecimento do dogma “Imaculada Conceição” (termo que havia recentemente tornado público pelo Papa). Enquanto o assunto era submetido à hierarquia eclesiástica, que se comportava com cética prudência, curas cientificamente inexplicáveis foram verificadas na gruta de “massabielle“.

Em 25 de fevereiro de 1858, na presença de uma multidão, surgiu sob as mãos de Bernadete uma fonte – que jorra água até os dias de hoje, cerca de cinco mil litros por dia. É universal a fama do Santuário de Lourdes, local onde Nossa Senhora apareceu por 18 vezes a Santa Bernadete Soubirous em 1854, e que se tornou nos anos sucessivos um dos maiores centros de peregrinações do mundo. Sobre o intenso amor que a piedosa vidente nutriu para com a Mãe de Deus ao longo de sua vida, escreve o Pe. Trochu.

Perguntada uma vez se a lembrança da aparição se tinha apagado da memória, Santa Bernardette respondeu que jamais. Perguntada se poderia descrever a Virgem já que a havia visto, respondeu que “não poderia, nem saberia fazê-lo. Eu para mim não necessito, pois A levo no coração”. Santa Bernardete se comprazia em louvá-La, fazê-La conhecer, amá-La e servi-La. Esforçava-se em imitar suas virtudes, especialmente sua humildade e renúncia. Toda sua vida desfiou o Rosário como tinha feito em Lourdes. Este era sua devoção preferida. Ao rezar o rosário, os olhos escuros, profundos e brilhantes de Bernadete, pareciam como se estivessem vendo Nossa Senhora.

O corpo de Santa Bernadete permanece incorrupto e este é um dos casos mais assombrosos e estudados pela medicina.

 

 

 

 

 

 

 

Desde 3 de agosto de 1925, o corpo intacto da Santa se encontra exposto numa urna de cristal na capela do convento de Saint-Gildard, na cidade de Nevers, França. A cidade fica na Borgonha, a 260 km ao sul-suleste de Paris.

Assim informa uma inscrição ao lado do corpo da Santa na mesma capela:

“O corpo de Santa Bernadete repousa nesta capela desde 3 de agosto de 1925. Ele está intacto e ‘como se estivesse petrificado’ segundo foi reconhecido pelos médicos juramentados e pelas autoridades civis e religiosas por ocasião das exumações de 1909, 1919 e 1925. O rosto e as mãos, que escureceram no contato com o ar, foram recobertos com ligeiras camadas de cera, moldadas segundo os modelos recolhidos diretamente. A posição inclinada para o lado esquerdo foi assumida pelo corpo no túmulo.”

Foram ao todo 03 exumações. A primeira em 22/09/1909, 30 anos após sua morte e não havia nenhum odor. O corpo estava intacto e a veste do Hábito da Ordem estava úmida. Somente a cabeça estava inclinada para a esquerda. A pele estava apegada aos músculos e estes apegados aos ossos. A segunda exumação foi em 1919, dez anos depois da primeira e a situação encontrada foi exatamente a mesma da primeira exumação. O corpo não estava em putrefação e nem em decomposição, o que seria esperado como normal após quarenta anos de seu sepultamento. A terceira exumação foi em 12/06/1925. O objetivo era a retirada de “relíquias” de seu corpo. A canonização viria oito anos mais tarde em 1933.

Sobre a última exumação o Dr. Comte fez a seguinte afirmação:

“O que mais me impressionou durante esta exumação foi o perfeito estado de conservação do esqueleto, tecidos fibrosos, musculatura flexível e firme, ligamentos e pele após quarenta e seis anos de sua morte. Após tanto tempo, qualquer organismo morto tenderia a desintegra-se, a se decompor e adquirir uma consistência calcária. Contudo, ao cortar, eu percebi uma consistência quase normal e macia. Naquele momento, eu fiz esta observação a todos os presentes de que eu não via aquilo como um fenômeno natural”.

Naquela época, foi confeccionada a urna de cristal que guarda o corpo de Santa Bernadete. As freiras cobriram seu rosto e as mãos com uma camada fina de cera. A urna se encontra hoje numa bela capela fora da clausura para que possa ser visitada. O corpo milagrosamente preservado de Bernadete encoraja os visitantes a imitarem a vida da Santa e levarem a sério as mensagens transmitidas pela vidente da Imaculada Conceição.

Leiam mais sobre a vida de Santa Bernardete e sobre as exumações. Aqui escrevemos apenas um breve relato que nos faz imaginar o quanto esta jovem teve de Nossa Senhora um privilégio imensurável. Peçamos a intercessão de Santa Bernadete que com certeza serão ouvidas imediatamente por Nossa Senhora e com certeza atendidas.

Louvado seja sempre o Nosso Senhor Jesus Cristo!

Fiquem em Deus sempre!

Jair Ortega – Pascom Nossa Senhora de Lourdes

FONTES:

1. Site arautos do evangelho – www.arautos.org

2. Site aleteia – www.pt.aleteia.org

3. Site wikipedia – www.wikipedia.org


Compartilhe: