Pascom Responde #006: “rá tim bum” seria uma maldição

Apareceu na internet há algum tempo a mensagem de que a palavra “rá tim bum” seria uma maldição. A palavra, segundo a mensagem que circula pela internet, seria algo como “eu amaldiçoo você”.

Nossa amiga Nadja, então, nos mandou esta inquietação sobre a palavra rá-tim-bum e a Pascom foi atrás de averiguar. Veja abaixo as informações que obtivemos:

A palavra “rá-tim-bum” não é uma maldição e não significa “eu amaldiçoo você”. Essa associação é fruto de uma lenda urbana que circula na internet e não tem base nem fontes confiáveis. Segunda uma revista da FAPESP, a origem do rá-tim-bum data dos anos 20 ou 30 e nasceu de brincadeiras entre os estudantes da universidade.

Mais detalhes abaixo:


RÁ-TIM-BUM, verdade ou mito da internet?

13/11/2009

O email enviado

RATIMBUM

É uma palavra mágica usada pelos magos pérsias na Idade Média. Em rituais satânicos, elas eram pronunciadas assim e ao contrário fazendo o mestres dos magos surgir das cinzas e realizar os desejos de quem os proclamou.
Por muito tempo cantamos inocentemente um “parabéns” pra alguém que está aniversariando. Mas até aqui tudo bem.

O que muitos não sabem é que depois da música vem um tal de ratimbum
(isso significa: eu amaldiçôo você) muitos não sabem, mas os demônios se divertem em muitas festas até cristãs.
Esse ratimbum é pronunciado até para os pastores e devemos tomar cuidado porque é essa mesma a finalidade do maligno.

Muitos não sabem porque acontecem tantas coisas misteriosas depois de uma simples festa de aniversário.
Deixo aqui o meu alerta a todos os que lêem essa mensagem porque a obra do maligno é essa: festejar a ruína do homem.

Existiu até certo tempo um programa infantil numa determinada emissora de TV (castelo ratimbum) que significa “castelo da maldição”.

Como podemos cantar felicitando uma pessoa e depois amaldiçoá-la? Irmãos tomemos muito cuidado. Passem isso adiante.

Que Deus nos guarde!
Detalhe que depois de dizer ratimbum, se pronúncia o nome do aniversariante várias vezes…
Vamos nos atentar para isso irmãos.

Pesquisa

Conforme uma pesquisa, não há nada que comprove esta teoria do RÁ-TIM-BUM significar maldição, lembrando que os textos que fazem referência a esse fato carecem de informações básicas tais como: livro extraído, data de publicação, não sendo assim, de fonte confiável.

E se essa é uma palavra de encantamento dos Druidas Celtas porque só existe no Brasil?

Segundo o Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa, a palavra RATIMBUM é uma onomatopéia, é a imitação de um som. Neste caso o som emitido por uma bandinha de circo ou uma fanfarra quando quer chamar a atenção sobre uma finalização de uma apresentação. A caixa faz TARARÁ!, os pratos fazem TIM!, e o bumbo faz BUM! – TARARÁ TIM BUM, para tornar a palavra mais curta e fácil de falar elipsaram o TARA… e ficou só o RÁ, RA-TIM-BUM, com três sílabas de bom efeito sonoro.

Conforme pesquisa publicada na revista da FAPESP “é pique, é pique, é hora, é hora, é hora, rá-tim-bum”, um bordão, incorporado no Brasil ao Parabéns a você, é uma colagem de bordões dos pândegos estudantes das Arcadas da década de 1930. 

“É pique, é pique” era uma saudação ao estudante Ubirajara Martins, conhecido como “pic-pic” porque vivia com uma tesourinha aparando a barba e o bigode pontiagudo.”

“É hora, é hora” era um grito de guerra de botequim. Nos bares, os estudantes eram obrigados a aguardar meia hora por uma nova rodada de cerveja – era o tempo necessário para a bebida refrigerar em barras de gelo. Quando dava o tempo, eles gritavam: “É meia hora, é hora, é hora, é hora” .

“Rá-tim-bum”, por incrível que pareça, refere-se a um rajá indiano chamado Timbum, ou coisa parecida, que visitou a faculdade – e cativou os estudantes com a sonoridade de seu nome. O amontoado de bordões ecoava nas mesas do restaurante Ponto Chic, com um formato um pouco diferente do que se conhece hoje:”

“Pic-pic, pic-pic; meia hora, é hora, é hora, é hora; rá,já, tim, bum”.

Como isso foi parar no Parabéns a você?

“Os estudantes costumavam ser convidados a animar e prestigiar festas de aniversário. E desfiavam seus hinos”, conta o atual diretor da faculdade, Eduardo Marchi, de 44 anos, que relembrou a curiosidade em seu discurso de posse, dois anos atrás.”

Queremos agradecer a Nadja que nos enviou a pergunta e convidar você também a enviar a sua, porque a Pascom Responde!

Fonte: http://www.revistapesquisa.fapesp.br/Suplemento_USP_70_anos.pdf, páginas 56 e 57

Compartilhe: